The more I know, the less I understand…

♫ India Arie – The Heart Of  The Matter

Hoje estava andando pela rua, num bairro movimentado, sob um sol escaldante. Quando parei na esquina para atravessar a rua vi um daqueles “carros” de pessoas que recolhem papelão na rua, estava sendo puxado por um cavalo ou jumento, não sei bem. Sei que parei e fiquei um bom tempo olhando pra ele. Parecia estar sofrendo muito, respirava com força, uma das patas machucadas e ele nem a encostava no chão. Senti raiva de quem maltrata bicho assim, senti pena de vê-lo naquele estado, senti que deveria fazer alguma coisa ou então sentiria a culpa de quem é cúmplice do sofrimento alheio. No impulso do momento não sabia o que fazer. Soltaria ele do carro? Chamaria a polícia? Tiraria uma foto e publicaria numa rede social para expor o caso? Pensei que ao menos aliviaria o incômodo que ele estaria sentindo se lhe desse água. Dei a volta no quarteirão procurando um lugar que vendesse um balde. Depois de um tempo consegui encontrar  num mercado, fui ao banheiro, enchi com água e voltei ao lugar onde estava o bichinho. Ele já estava indo embora, com um homem guiando junto com 3 ou 4 pessoas da família. Senti mais raiva de ver aquelas pessoas usando o animal, senti insatisfação por não ter chegado a tempo, senti impotência de não ter feito nada significativo. Joguei á água do balde na sarjeta e com ela foi embora a esperança de fazer o bem a um animal sem voz.

Anúncios

Dias e Noites

♫ Marina Lima – Eu te amo você

Acho que eu não sei não
Eu não queria dizer
Tô perdendo a razão
Quando a gente se vê

Mas tudo é tão difícil
Que eu não vejo a hora
Disso terminar
E virar só uma canção
Na minha guitarra

Eu te amo você
Já não dá prá esconder
Essa paixão

Eu queria te ver
Sentindo esse lance
Tirando os pés do chão
Típico romance

Mas tudo é tão difícil
Que era mais fácil
Tentarmos esquecer
E virar mais uma ilusão
Nessa madrugada

Eu te amo você
Já não dá prá esconder
Essa paixão

Mas não quero te ver
Me roubando o prazer da solidão
Eu te amo
Te amo você
Não precisa dizer
O mesmo não
Mas não quero me ver
Te roubando o prazer da
Solidão