Tempus Modernus

♫ Mates of State – Running Out

Na faculdade, conversando com um amigo:

Ele: Como está o coração?
Eu: Tá bem, tô gostando de uma pessoa.
Ele: Homem ou Mulher?
Eu: Ué, homem, claro.
Ele: Sei lá…ultimamente todas as minhas amigas estão aparecendo com meninas.
Eu: Ah, mas não sou tão moderninha assim não. Eu sou muito apegada à tradição.
Ele: Sua heterossexual ortodoxa!!!

😀

Como não se tornar uma cozinheira. LIÇÃO 1

♫ Johnny Cash – God’s Gonna Cut You Down

As minhas ambições numa cozinha nem são as de me tornar uma Grand Chef ou entrar pra Le Cordon Bleu*. Eu só queria saber fazer o básico. Teoricamente eu até sei…mas na prática, vocês sabem, a teoria é outra.

Situação: Sozinha em casa por uma semana.

Receita do dia: Fazer um pudim de leite condensado e assar pão-de-queijo. Ao mesmo tempo.

Modo de preparo:

Faça o pudim como sugere a receita. E aproveite pra cortar o dedo enquanto corta a caixinha do leite condensado.

Depois faça a calda. Deixe o açúcar por muuuuito tempo no fogo. Se estiver com cheiro de queimado, não ligue, porque “afinal de contas, se calda é açucar queimado, então não existe calda queimada; o cheiro deve ser esse mesmo.” ¬¬ (Cogito ergo sum)

Coloque pra assar em banho-maria, por duas horas. Deixe na prateleira de cima do forno, a que demora mais pra assar.

É a vez do pão-de-queijo. Retire-os do congelador e ponha pra assar na segunda prateleira do forno (logo abaixo do pudim). Porque “assa mais rápido.”

Depois de algum tempo você precisa verificar se o pudim está assando como devia, então puxe a assadeira pra espetar o palito na massa. Como você é uma pessoa “delicada” em seus gestos, vai deixar cair um pouco de água no pão-de-queijo, mas tudo bem…“ele vai assar não é? então essa água vai secar.”

Passados mais uns minutos, o pudim deveria estar quase pronto, mas não está nem perto disso. E o pão de queijo está começando a passar do ponto. Você pega um pra experimentar e percebe que ele está totalmente cru e molhado por dentro, e tostado por fora. Não, não entre em desespero! Deixe-o assando por mais 10 minutos, em fogo baixo, e o pudim por mais meia hora.

Você volta, logo depois, pra tirar o pão-de-queijo. Ele continua cru, e não há alternativas, vai ter que comer todos eles (uns 10) daquele jeito mesmo. Tudo bem… até que esse molhadinho deu um “gosto especial”. (Blérgh)

E o pudim, depois de quase três horas, ainda não parece estar no ponto. Retire-o assim mesmo. Não espere esfriar pra colocar na travessa. E não há segredos pra desenformá-lo, você só precisa evocar algum Mantra ou rezar para “Nossa Senhora das Sobremesas Assadas”.

Ok, não ficou bonito e nem inteiro mas, não desanime! O importante é ver a beleza interior desse pudim, mesmo com a calda queimada. Na verdade, o gosto ficou tão terrível que é melhor retirar parte dela, pra não ter que jogar tudo fora.

Saldo: entre queimados e desenformados, salvaram-se todos. E meu estômago vai bem, obrigada (apesar do trauma).

* Renomada e tradicional escola francesa de gastronomia, mas já possui filiais por todo o mundo.

Feche os olhos que o retroprojetor tá pronto!

♫ Alphaville- I Like Chopin

Gosto das coisas que o Jô Soares escreve. E uma vez, numa coluna dele, em uma famosa revista, eu li:

Os sonhos foram criados para que a gente não fique entediado enquanto dorme.”

Depois disso, durante muito tempo, eu fiquei pensando da mesma forma (possivelmente até conhecer Freud). Baseada nessa idéia, devo dizer que, como forma de entretenimento, os sonhos vão passando – sem lógica alguma – numa mesma noite, por vários gêneros “cinematográficos”: do policial à comédia, do drama ao faroeste, tudo meio recheado com efeitos especiais.

Achando que tenho o direito à crítica, fiz uma lista de 5 dos PIORES ENREDOS DE SONHO. Ei-la:

1-Crimes. Bandidos seqüestrando sua mãe na sua frente e você, sem poder fazer nada. Ou vários deles correndo escada abaixo atrás de você, munidos com armas até os dentes ou, às vezes, “só” com uma Taurus 88C/I mesmo. Ou ainda pior, fazendo você de refém em plena avenida principal do centro da cidade, no meio da tarde e todo mundo olhando, inclusive sua mãe, com ar desesperado. Muito assustador.

2-Animais. O chão da sua casa se transformando em um lago cheio de cobras e jacarés. Ou então um elefante em tamanho natural, inexplicavelmente na palma da sua mão. Muito nonsense.

3-Gastronomia. Festa de criança, a mesa repleta de docinhos, bolo e salgadinhos. Você caminha em direção a ela, suas glândulas salivares estão esguichando e você já vai calculando quantos beijinhos vão caber em uma mão e quantos risolis de milho na outra e então, ouve: “Acorda, que já tá hora de ir pra aula.” ¬¬ Muito frustrante.

4-Nudez. Você pelada em plena sala de aula e, detalhe: tá todo mundo vestido. Muito vergonhoso.

5-Trabalho. Você sonha que está fazendo exatamente a mesma coisa que fez durante várias horas do seu dia: trabalhando. Muito cansativo.

 

Acho que tenho o direito de escolher o que vou “assistir” à noite, não é? Tenho sugestões:

1-Romance. Sonhar com a pessoa se gosta, numa história tipo Romeu e Julieta, mas sem a rixa entre as famílias e o final trágico. Ou não. Melhor uma história mais cômica, estilo Harry e Sally, mas sem tantos desencontros e comentários irônicos. (Enfim…difícil mesmo é sonhar com quem a gente quer). Romântico.

2-Praia. Uma ilha deserta: bronzeado sem risco de câncer de pele e banho em mar-não-poluído. Vai ser como naquele filme Náufrago, mas eu recomendo levar faca, isqueiro, um sapato, escova e pasta de dentes (para evitar as cáries), enfim..um Kit-de-sobrevivência-em-ilhas. Paradisíaco.

3-Soneca. Sonhar que dorme e sonhar que sonha. (E nada de insônia). A metalinguagem do sono. Relaxante.

4-Gastronomia. Um belo ataque a uma vitrine de confeitaria. Ou ainda, aquele desejo secreto que a gente tem quando criança, de ficar preso no supermercado por toda a noite e poder comer o que quisesse. Delicioso.

5-Viagem. Nada como ir parar nos lugares mais longíquos, aqueles que você não sabe quando vai poder ver de perto, como o Marrocos ou o Quirguistão. Aventureiro.

Depois disso…é só comer pipoca e esperar pelo soninho!

 

Citação II

Joss Stone – Under Pressure

Steven Tyler* tinha know-how pra dizer isso:

“A música é a droga mais forte do mundo. Com headphones no ouvido**, sua canção tem o poder de deixar você mais doidão do que qualquer outra coisa”

 

* Vocalista do Aerosmith.

** Um baita pleonasmo, mas fazer o quê? Eu tinha que escrever Ipsis litteris.

 

Às vezes, o que parece, é.

♫ Air – Cherry Blossom Girl

Minha amiga Lu resolveu sair um dia, com o pai, pra comprar um tênis.

Chegando na loja ela aponta um modelo na vitrine:
Ela: Pai, quero aquele ali, ó
Ele: Huummm…parece uma conga…
Ela: Mas é uma conga, pai!

Chegando em casa, diz pra mãe:
Ela: Mãe, olha o tênis que eu comprei.
Mãe: Parece uma conga…
Ela: Mas é uma conga!

No dia seguinte, ela vai à faculdade com o tênis novo e diz à sua lesada amiga:
Ela: Amiga, olha que gracinha o tênis que eu comprei.
Eu: Nossa, é lindo Lu!… parece uma conga…
Ela: Mas ééé uma conga! ¬¬
Eu: Ah, tá.

Advertising appeal

♫ Rita Lee – Esse tal de Roque Enrow

 

Eu estava mexendo em uma pasta com velhos recortes de jornais e revistas, e me deparei com uma propaganda engraçada de um famoso jornal aí. Era assim:

6 MANEIRA DE CONVERSAR SEM DAR VEXAME:

1- Seja qual for o assunto, responda: “é uma maneira válida de ver o problema”

2- Decore: Comunismo, esquerda. Capitalismo, direita. De novo.

3- Dependendo da complexidade do assunto simule um ataque cardíaco e saia da sala.

4- Fique em silêncio, com cara de que está achando aquela discussão muito primária. Treine no espelho.

5- Faça cara de inteligente. Faça cara de inteligente. Faça cara de inteligente.

6- Leia o Jornal “X” (O nome do jornal em questão não é relevante)

 

P.s.: (de Post SCRAPtum) (huum…esse trocadilho só parece fazer sentido no orkut mesmo) Fazer cara de inteligente é muito difícil! 😛